domingo, novembro 1

Papai Noel

Quem nunca acreditou no bom velhinho de barba branca distribuindo presentes às crianças na noite de natal?

Eu, pelo menos, já tive essa fantasia. Eu era criança, óbvio, acreditava em tudo o que meus pais diziam. Mas aí, certa noite de natal, virei a noite e nada de Papai Noel aparecer... Foi uma grande decepção, e todas as minhas dúvidas se foram quando o bom velhinho não apareceu: ele realmente não existia.

Claro, sempre houve a lenda do Papai Noel, apesar de ela só ficar conhecida quando a Coca-Cola usou o personagem num comercial.

Enfim...

Todos já devem ter se perguntado por que Papai Noel nunca deixava presente para o Carlinhos, um bom garoto que é estudioso, filho da empregada da mãe do Joãozinho, um garotinho corpulento que anda com o nariz apontando para cima, sempre arrogante e que ganha, além dos apertos na gorda bochecha que a tia dá, vários brinquedos. E até come um delicioso peru na ceia!

Estranho... Papai Noel não dá presente só para quem merece?

Carlinhos mereceria, mas sua mãe não tem condições, ao contrário da mãe do Joãozinho. E olha que Carlinhos sempre capricha na letra quando envia as castas endereçadas ao Polo Sul!

Pois é, né...

Deus existe para alguns homens bem sucedidos e poderosos, que se passam por bons cristãos perante a sociedade. Afirmam terem conseguido ficar rico graças a Deus, amém!

Mas e quanto aos pobres, que vão à igreja toda semana, mãos calejadas e olhar cansado, rezando por uma vida melhor e agradecendo pelo pouco que tem? Não podem nem ao menos se dar ao luxo de morrer, para não ter que fazer a família gastar dinheiro com caixão nem com missa de sétimo dia.

Essa é o triste destino da filosofia do Zeca Pagodinho. Afinal, tem música com pior ideologia do que aquela... "E deixa a vida me levar, vida leva eu"?

A música afirma que o cidadão tem pouco, e é grato por isso, e não procura melhorar a vida, vai apenas empurrando tudo com a barriga. Tal composição deveria ser banida. É o triste destino de alguns brasileiros, ficar esperando que Deus ajude e não tentam agarrar as boas chances para uma vida melhor.

Se eu quero algo, não escrevo uma carta para o Papai Noel, eu vou tentar consegui-lo por meus esforços.

"Consegui um aumento salarial, graças ao bom Deus, Ele estava ao meu lado!", e quanto às pessoas de morrem de fome?

5 comentários:

JuANiTo disse...

Excelente reflexão.
A sociedade do consumo é isso aí.
Apelam como podem pra alcançar o que desejam.
Criança pobre desde sempre sabe da realidade ao contrario de quem tem boa vida e não dá valor ao que tem e nem ajuda o proximo.
Abraço

Andii disse...

Nossa que refelxão! gostei muito.
eu acabei de fazer um blog e tô visistando vários, pegando "ideias"
fazendo novas amizades. Passa pelo meu blog ?
http://andiaravieira.zip.net/
desde já grata

Lady Sixties disse...

Oi, Pedro! Adorei o texto e seu blog... Até sou seguidora agora! Espero que não se incomode...

bjs!

Avassaladoras Rio disse...

Querido amigo avassalador... Minha familia era de ateus comunistas e não usavamos papai Noel e outros simbolos do capitalismo consumista.....Era um saco! Porque todos nós queriamos ganhar presentes de natal, ovinhos de pascoa... e presentes no dia das crianças....
Viva a hipocresia!

Guilherme Luis disse...

Bem... eu não acredito que Deus interfira na vida humana, mas eu ainda não consigo acreditar que depois de morrer nossa existência irá se perder. Não digo que será deus que irá nos resgatar, mas acho que deveriamos seguir para algum lugar